Medição de pH - O Guia da Teoria do pH - METTLER TOLEDO
Conhecimento
Guia

Medição de pH - O Guia da Teoria do pH

Conhecimento
Guia
Medições corretas e precisas de pH dependem de instrumentos e eletrodos confiáveis. A seleção de equipamento, o manuseio e a manutenção corretos são essenciais para a obtenção de resultados ideais e para o prolongamento da vida útil dos instrumentos.
Medições corretas e precisas de pH dependem de instrumentos e eletrodos confiáveis. A seleção de equipamento, o manuseio e a manutenção corretos são essenciais para a obtenção de resultados ideais e para o prolongamento da vida útil dos instrumentos.

Guia de medição de pH - A teoria das aplicações de pH de laboratório


Este guia teórico de pH concentra o foco em apresentar uma descrição clara e prática de como medir o pH no laboratório e no ambiente de campo. São apresentadas várias dicas e sugestões para os pontos importantes e, depois, a descrição completa da medição é fundamentada pela descrição teórica das medições de acidez e alcalinidade. O artigo também dá atenção aos diferentes tipos de eletrodos de pH disponíveis e aos critérios de seleção para a escolha do eletrodo certo
para uma amostra específica.
 

Índice:

  • Introdução ao pH.
  • Seleção e manuseio de eletrodo
  • Guia de solução de problemas para medições de pH
  • Teoria abrangente sobre pH

 

Faça o download gratuito do Guia teórico de pH e conheça os fundamentos sobre as medições corretas e precisas de pH. Obtenha dicas e sugestões inteligentes de nossos especialistas em pH para o seu trabalho diário no laboratório e no ambiente de campo.

Visão preliminar do Guia teórico de pH:

1. Introdução ao pH

Porque classificamos um líquido de uso diário, como o vinagre, como sendo ácido? O motivo para isso é que o vinagre contém excesso de íons hidrônio (H3O+) e esse excesso de íons hidrônio em uma solução torna-a ácida. Por outro lado, o excesso de íons hidroxila (OH) deixa algo básico ou alcalino. Na água pura, os íons hidrônio são neutralizados por íons hidroxila e essa solução é o que chamamos de valor de pH neutro.

H3O+ + OH ↔ 2 H2O

Figura 1.

A reação de um ácido e uma base forma água. Se as moléculas de uma substância liberam íons ou prótons de hidrogênio através da dissociação, chamamos essa substância de ácido e a solução torna-se ácida. Alguns dos ácidos mais conhecidos são o ácido clorídrico, ácido sulfúrico e ácido acético ou vinagre. A dissociação do vinagre é mostrada abaixo:

CH3COOH + H2O ↔ CH3COO + H3O+

Figura 2. Dissociação de ácido acético.

Nem todo ácido é igualmente forte. O nível exato da acidez de algo é determinado pelo número total de íons hidrogênio na solução. O valor do pH então é definido como o logaritmo negativo da concentração de íons hidrogênio. (Para ser exato, ele é determinado pela atividade dos íons hidrogênio. Consulte o capítulo 4.2 para mais informações sobre a atividade dos íons hidrogênio).

pH = –log [H3O+]

Figura 3. A fórmula para calcular o valor do pH a partir da concentração de íons hidrônio.

A diferença quantitativa entre substâncias ácidas e alcalinas pode ser determinada realizando as medições de valores de pH. A Figura 4 apresenta alguns exemplos de valores de pH de substâncias e produtos químicos do dia a dia:

 

... obtenha mais no Guia teórico de pH ....

 

1.1.   Ácido ou alcalino
1.2.   Porque os valores de pH são medidos?
1.3.   As ferramentas para medições de pH
         a) O eletrodo de pH
         b) Eletrodos de referência
         c) Eletrodos de combinação
1.4.   Guia prático para correção de medições de pH
         a) Preparação de amostras
         b) Calibração
         c) Eletrodo de pH
         d) Precisão esperada da medição
1.5   Guia passo a passo para medições de pH

2. Seleção e manuseio de eletrodo

Para obter medições de pH ideais, primeiramente é preciso selecionar o eletrodo correto.


O critérios de amostra mais importantes a ser considerados são: composição química, homogeneidade, temperatura, faixa de pH e tamanho do recipiente (restrições de comprimento e largura). A escolha torna-se particularmente importante para amostras não aquosas, de baixa condutividade, ricas em proteína ou viscosas, em que os eletrodos de vidro de uso geral estão sujeitos a várias fontes de erro.

O tempo de resposta e a precisão de um eletrodo dependem de uma série de fatores. As medições de temperaturas e valores extremos de pH, ou a baixa condutividade podem levar mais tempo que as medições de soluções aquosas à temperatura ambiente com um pH neutro.

O significado dos diferentes tipos de amostras é explicado a seguir, tomando as diferentes características dos eletrodos como um ponto de partida. Novamente, os principais eletrodos de pH combinados são discutidos neste capítulo.

 

Medição de pH - O Guia da Teoria do pH
Figura 14. Eletrodo com junção de cerâmica.

a) Junções de cerâmica

A abertura que a parte de referência de um eletrodo de pH contém para manter
o contato com a amostra pode ter diversas formas diferentes. Essas
formas têm evoluído ao longo do tempo devido às diferentes demandas impostas
aos eletrodos ao medir diversas amostras. A junção "padrão"
é a mais simples e é conhecida como uma junção de cerâmica. Ela consiste
em uma peça porosa de cerâmica, que é empurrada pelo corpo de vidro do
eletrodo. Esse material cerâmico poroso permite, então, que o eletrólito
flua lentamente para fora do eletrodo, porém impede que ele jorre livremente para fora.
Esse tipo de junção é muito adequado para medições-padrão em soluções
aquosas; o InLab®Routine Pro da METTLER TOLEDO é um exemplo
de tal eletrodo. A Figura 14 mostra um desenho esquemático do princípio dessa junção
.

.. obtenha mais no Guia teórico de pH ....

2.1.     Diferentes tipos de junções
           a) Junções cerâmicas
           b) Junções com luva / junções de vidro
           c) Junções abertas
2.2.     Sistemas de referência e eletrólitos
2.3.     Tipos de vidro de membrana e formas de membrana
2.4.     Eletrodos de pH para aplicações específicas
           Amostras simples
           Amostras sujas
           Emulsões
           Amostras semissólidas ou sólidas
           Amostras planas e amostras muito pequenas
           Amostras pequenas e recipientes de amostras difíceis
           InLab®Power (Pro)
2.5.     Manutenção de eletrodos
2.6.     Armazenagem de eletrodos
           Armazenagem de curto prazo
           Armazenagem de longo prazo
           Sensores de temperatura
2.7.     Limpeza de eletrodos
           Bloqueio com sulfeto de prata (Ag2S)
           Bloqueio com cloreto de prata (AgCl)
           Bloqueio com proteínas
           Outros bloqueios de junção
2.8.     Regeneração e vida útil do eletrodo
2.9.     Informações adicionais

 

3. Guia de solução de problemas para medições de pH

Problemas que surgem durante as medições de pH podem ter diferentes fontes; do medidor, cabo e eletrodo, até soluções de buffer, temperatura de medições e amostra (aplicação). Deve ser dada atenção especial aos sintomas do problema, pois eles serão úteis para localizar a origem da falha. A tabela a seguir fornece uma visão geral dos sintomas e das causas:


Leituras muito altas/muito baixas, ou leituras fora da escala “---”

  • Verifique o medidor, cabo, eletrodo, procedimento de calibração e temperatura da amostra

O valor não muda

  • Verifique o medidor, cabo e eletrodo

Tempo de resposta lento

  • Verifique o eletrodo e a amostra/aplicação

Alto desvio após a calibração

  • Verifique o eletrodo, as soluções de buffer e o procedimento de calibração

Baixa inclinação após calibração

  • Verifique o eletrodo, as soluções de buffer e o procedimento de calibração

Erro de calibração

  • Verifique o medidor, cabo, eletrodo, soluções de buffer e procedimento de calibração

Oscilação dos valores de medição

  • Verifique o eletrodo e a amostra/aplicação

 

... obtenha mais no Guia teórico de pH ....

 

3.1.     Verificação do medidor e cabo
3.2.     Verificação da temperatura da amostra e aplicação
3.3.     Verificação de tampões e procedimento de calibração
           Algumas dicas para uso do tampão
3.4.     Verificação do eletrodo

 

 

4. Teoria abrangente sobre pH

Nas seções anteriores foram discutidos os aspectos práticos de medições de pH. Este capítulo abordará principalmente a base teórica para medições de pH e destina-se a leitores que pretendam compreender
mais profundamente a teoria de pH.

Primeiramente, a teoria básica de pH é desenvolvida; em seguida, veremos a teoria do sensor e, no final, serão tratados alguns tópicos especiais.

4.1. Definição do valor do pH

 

De acordo com Sørenson, o pH é definido como o logaritmo negativo da concentração de íon H3O+:

pH = –log [H3O+]


A partir da equação é possível ver que se a concentração de íon H3O+ mudar em uma década, o valor de pH mudará por uma unidade. Isso ilustra bem como é importante poder medir mesmo pequenas mudanças no valor do pH de uma amostra.
Em geral, a teoria sobre o pH é descrita com íons H+ em conjunto com os valores de pH, embora o íon correto a ser referido é o íon hidrônio (ou, como é oficialmente conhecido de acordo com IUPAC: íon oxônio) (H3O+):

H+ + H2O ↔ H3O+


Não apenas os ácidos e bases mostram um comportamento de dissociação para formar íons hidrônio ou íons hidróxido, mas água pura também se dissocia para formar íons hidrônio e hidróxido:

2 H2O ↔ H3O+ + OH



... obtenha mais no Guia teórico de pH ....

 

4.1.     Definição do valor de pH
4.2.     Correlação de concentração e atividade
4.3.     Soluções de buffer
           Capacidade do tampão (ß)
           Valor da diluição (ΔpH)
           Efeito da temperatura (ΔpH/ΔT)
4.4.     A cadeia de medição na configuração da medição de pH
           Eletrodo de pH
           Eletrodo de referência
4.5.     Calibração/ajuste da configuração de medição de pH
4.6.     A influência da temperatura sobre as medições de pH
           Dependência da temperatura do eletrodo
           Interseção isotérmica
           Outros fenômenos de temperatura
           Dependência da temperatura da amostra medida
4.7.     Fenômeno no caso de soluções de medições especiais
           Erro alcalino
           Erro ácido
           Reações com o eletrodo de referência
           Meio orgânico

 

Thank you for visiting www.mt.com. We have tried to optimize your experience while on the site, but we noticed that you are using an older version of a web browser. We would like to let you know that some features on the site may not be available or may not work as nicely as they would on a newer browser version. If you would like to take full advantage of the site, please update your web browser to help improve your experience while browsing www.mt.com.