Como Medir o pH em Amostras Contendo Proteínas
Conhecimento
Editorial de Aplicação
Dicas e Truques

Como Medir o pH em Amostras Contendo Proteínas

Conhecimento
Editorial de Aplicação
Dicas e Truques

Medir o pH em amostras contendo proteína pode ser desafiador. Para obter leituras precisas do pH, o eletrodo de pH deve ser mantido em condições ideais.

Noções Básicas sobre Medição de pH

Medir o pH em amostras contendo proteína pode ser desafiador uma vez que a proteína pode incrustar tanto o vidro sensorial do pH quanto as junções clássicas de cerâmica do sensor de pH. Para obter leituras precisas do pH, ambos componentes devem ser mantidos em condições ideais.

Conteúdo:

  1. Incrustação Proteica da Membrana de Vidro do Sensor de pH
  2. Obstrução da Proteína das Junções de Cerâmica
  3. Como Remover a Contaminação de Proteínas de um Sensor de pH
  4. Como encontrar o Sensor de pH Correto
*Este documento destina-se somente para Pesquisa e Controle de Qualidade
Get accurate pH results in your Protein containing samples

1. Incrustação Proteica da Membrana de Vidro do Sensor de pH

Em qualquer solução aquosa, o ácido está presente na forma de íons hidrônio. A membrana de sensoriamento em um sensor de pH é especialmente projetada para interagir com esses íons hidrônio para gerar um potencial de tensão, que é então convertido em um valor de pH utilizável. Para que esta interação ocorra, o vidro de sensoriamento do sensor deve estar isento de contaminação, tais como resíduos de proteína. Qualquer contaminação presente no vidro irá limitar a área de superfície disponível para interação com hidrônio e retardar a reação do sensor.

Figura 1: Criação de potencial em membrana de vidro
Figura 1: Criação de potencial em membrana de vidro

Um sensor lento é mais do que apenas um inconveniente. O medidor de pH a qual o sensor é conectado precisa de encontrar um ponto de extremidade matemático baseado na mudança no sinal de milivolts por uma unidade do tempo. Uma vez que a mudança no sinal de milivolts é derivada da interação do hidrônio na solução com o vidro sensorial do sensor, a contaminação da proteína pode ter um efeito no valor, introduzindo erro na medição. Quando um sensor está livre do resíduo da proteína, o potencial da tensão muda muito rapidamente sobre o tempo enquanto se aclimata à concentração nova do íon de hidrônio. Após alguns segundos, esta mudança no potencial por segundo diminui, e quando diminui abaixo do "critério de estabilidade" para o medidor, o valor final do pH é capturado.

Devido à redução da área de superfície disponível do vidro sensorial, a mudança inicial no potencial em mV por unidade de tempo é menor. Da mesma forma que o sensor limpo, o sensor contaminado também produzirá pequenas mudanças no potencial de milivolts com o tempo enquanto o sistema atinge o equilíbrio. No entanto, se o sensor reagir rapidamente ou lentamente a uma mudança no pH da solução, o medidor de pH tem o mesmo "critério de estabilidade".

Figure 2: Response time of a clean vs. a contaminated sensor. Clean membrane (blue) pH=6.026, Endpoint Time: 84s Contaminated membrane (green) pH=6.022 Endpoint Time: 374s
Figure 2: Response time of a clean vs. a contaminated sensor. Clean membrane (blue) pH=6.026, Endpoint Time: 84s Contaminated membrane (green) pH=6.022 Endpoint Time: 374s

2. Bloqueio por Proteína das Junções de Cerâmica

Assim como com o vidro sensorial do sensor, a junção é suscetível à incrustação de proteínas. Uma junção de cerâmica clássica é uma frita localizada logo acima do vidro sensorial do sensor. A frita é composta de pequenos poros, projetados para permitir que o eletrólito líquido flua para fora do sensor para dentro da amostra. O fluxo de eletrólitos é fundamental para obter uma leitura exata do pH - que produz um potencial de referência estável e fecha o circuito do sensor. Sem fluxo eletrolítico constante na amostra, o erro na leitura é inevitável.

Eletrólito líquido é uma solução de sal concentrado. Muitas vezes, quando as soluções de proteína são expostas a salmouras, a proteína vai precipitar-se para formar um sólido. Quando uma solução é submetida à medição do pH, um gradiente de sal é formado, com a maior concentração de sal localizada na junção do sensor de pH. Isto torna a precipitação da proteína na junção do sensor um cenário provável. Como as proteínas precipitam nos poros pequenos de uma junção cerâmica, o fluxo do eletrólito é retardado e interrompido eventualmente, introduzindo o erro na leitura do pH.

 

 

3. Como Remover a Contaminação de Proteínas de um Sensor de pH

 

4. Como Encontrar o Sensor de pH Correto

Thank you for visiting www.mt.com. We have tried to optimize your experience while on the site, but we noticed that you are using an older version of a web browser. We would like to let you know that some features on the site may not be available or may not work as nicely as they would on a newer browser version. If you would like to take full advantage of the site, please update your web browser to help improve your experience while browsing www.mt.com.